Reduzir fonteLetra tamanho normalAumentar fonte

Contacto

Horário:
De terça a sexta-feira 09h00 às 18h30
Segunda-feira e sábado das 09h30 às 13h00 e 15h00 às 18h30
Rua João da Costa nº16

2240-356 Ferreira do Zêzere

249360152

Eventos

dezembro 2017
Seg.Ter.Qua.Qui.Sex.Sáb.Dom.
1
2
3
4
5
6
7
10
11
12
13
14
15
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
Aplicação Descubra Ferreira do Zêzere
turismo-do-centro

Teatro para os alunos do pré-escolar e 1º ciclo

teatro

Na sequência de uma candidatura apresentada pela nova Rede de Bibliotecas Municipais do Médio Tejo, a partir deste mês de novembro e até ao próximo ano letivo, os alunos do Agrupamento de Escolas de Ferreira do Zêzere irão ter acesso gratuito a novos livros das metas curriculares de português, assistir a peças de teatro baseadas em obras das metas curriculares de português, no valor global de 7500€.

Esta terça-feira, dia 28 de novembro, a companhia Atrapalharte apresenta “3 Abóboras e 400 Camelos” para os alunos do pré-escolar e 1º ciclo do concelho, no Centro Cultural de Ferreira do Zêzere.

Programa:

10h00 – Espetáculo destinado aos alunos do Pré-escolar e 1º ciclo de Areias e Águas Belas

14h00 - Espetáculo destinado aos alunos do Pré-escolar e 1º ciclo de Ferreira do Zêzere

Escritor reconhecido no panorama da Literatura Portuguesa, António Torrado possui uma obra extensa e diversificada, que integra textos de raiz popular e tradicional, e também de teatro, poesia e, sobretudo, contos, sendo considerado um dos autores mais importantes da literatura infantil portuguesa. A peça "As Três Abóboras" conta a história de um pobre camponês que enriqueceu graças à sua bondade e honestidade: dialogando com as suas abóboras, que eram para ele o seu bem mais precioso, é interrompido por um mendigo esfomeado que lhe pede uma sopa de abóbora, ensinando aos mais novos a importância da generosidade e ajuda ao próximo.

Por seu turno, "Sábios como Camelos" é um conto que convida a imaginar e a partilhar a aventura da «inventividade», permitindo fantasiar livremente a realidade. O autor coloca neste conto alguns dos padrões literários e culturais típicos das narrativas árabes, pautando a sua reinvenção, por exemplo, pelo exotismo e pelo recurso a figuras comuns nesse universo (o grão-vizir, os camelos....). O protagonismo é concedido a uns camelos tornados sábios e falantes, porque engoliram muitos livros, animais aqui conotados com a memória e, de certo modo, com a generosidade. Neste, como em muitos outros contos, as personagens-animais servem como figuras de reposição do equilíbrio, levando as personagens humanas a refletir, a reconsiderar e a optar pelo Bem e pela Justiça. Deste modo, o final inusitado e feliz é determinado pela intervenção de um camelo.

Os cookies ajudam ao correto funcionamento deste sítio. Política de privacidade .

Ao utilizar os nossos serviços, concorda com a sua utilização.
Política de privacidade