Reduzir fonteLetra tamanho normalAumentar fonte

Eventos

Seg.Ter.Qua.Qui.Sex.Sáb.Dom.
1
24
25
26
27
28
29
30
31
a tejo ambiente
turismo-do-centro

Exposição Jorge Amado

Ferreira do Zêzere

Está patente até ao final do mês de agosto, na sala de leitura da Biblioteca Municipal de Ferreira do Zêzere uma exposição bibliográfica sobre a obra de um dos maiores escritores em língua portuguesa, Jorge Amado.
Venha conhecer ou reler a sua obra. Os livros expostos estão disponíveis para empréstimo domiciliário.

Jorge Amado nasceu em Pirangi, Brasil, em 1912 e faleceu a 6 de agosto de 2001. Viveu uma adolescência agitada, primeiro, na Baía, no início dos seus estudos, depois no Rio de Janeiro, onde se formou em Direito e começou a dedicar-se ao jornalismo.
Em 1935 estreou-se como romancista com O País do Carnaval (1931), Cacau (1933), Suor (1934), seguindo-se Terras do Sem Fim (1943) e S. Jorge dos Ilhéus (1944). Politicamente de esquerda, foi obrigado a emigrar, passando por Buenos Aires, onde escreveu O Cavaleiro da Esperança (1942), biografia de Carlos Prestes, depois pela França, pela União Soviética... regressando, entretanto ao Brasil depois de ter estado na Ásia e no Médio Oriente. Em 1951 recebeu o Prémio Estaline, com a designação de "Prémio Internacional da Paz".
Os problemas sociais orientam a sua obra, mas o seu talento de escritor afirma-se numa linguagem rica de elementos populares e folclóricos e de grande conteúdo humano, o que vai superar a vertente política. A sua obra tem toques de picaresco, sem perder a essência crítica e a poética. Além das já citadas, referimos, na sua vasta produção: Jubiabá (1935), Mar Morto (1936), Capitães da Areia (1937), Seara Vermelha (1946), Os Subterrâneos da Liberdade (1952). Mas é com Gabriela, Cravo e Canela (1958), Os Velhos Marinheiros (1961), Os Pastores da Noite (1964) e Dona Flor e os Seus Dois Maridos (1966) em que o romancista põe de parte a faceta politizante inicial e se volta para temas como a infância, a música, o misticismo popular, a turbulência popular e a vagabundagem, numa linguagem de sabor poético, humorista, renovada com recursos da tradição clássica ligados aos processos da novela picaresca.
Jorge Amado definiu-se, um dia, "apenas um baiano romântico, contador de histórias".
Foi-lhe atribuído o Prémio Camões em 1994.

(In: wook)

Os cookies ajudam ao correto funcionamento deste sítio. Política de privacidade .

Ao utilizar os nossos serviços, concorda com a sua utilização.
Política de privacidade